Rio Grande do Norte assume liderança em energia eólica

Pela primeira vez, o Rio Grande do Norte supera o vizinho Estado do Ceará, pioneiro na utilização comercial da energia eólica no Brasil, na capacidade instalada desse tipo de energia. De acordo com o Boletim das Usinas Eólicas, publicado na última segunda-feira, 20, pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

O RN assumiu a liderança nacional em energia eólica, com 1.158 megawatts (MW) de potência instalada, contra os 1.073MW em território cearense.
Os dados foram reforçados, na terça-feira (21), pelo presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, em sua conta no Twitter, ao destacar a importância do leilão de fontes alternativas de energia, marcado para o dia 10 de abril de 2015, conforme portaria publicada na última segunda-feira, no Diário Oficial da União.
Na sequência dos Estados com maior capacidade instalada, vem o Rio Grande do Sul, com 610MW, quantidade que representa apenas 56% da registrada no Ceará. Os Estados da Bahia (528MW), Santa Catarina (222MW) e Piauí (88MW) vêm em seguida.
Apesar de estar na quinta colocação em capacidade instalada, a Bahia, de acordo com o boletim da CCEE, é o Estado brasileiro com os melhores ventos. O chamado "fator de capacidade médio" do estado chega a 60%, o maior do País. O Piauí vem logo atrás, com fator 59%. Já o estado do Ceará é o terceiro nesse ranking, com 50%.
O boletim da CCEE aponta que o conjunto de usinas eólicas em operação no Brasil produziu 1.898MW médios em energia elétrica, em agosto, o que corresponde a um fator de capacidade médio de 50%. O órgão destaca que esta é a maior produtividade já registrada pelos parques desde o início do acompanhamento, em dezembro de 2012.
"Os números adquirem especial relevância quando comparados com o fator de capacidade médio verificado em 2013, nos países com maior capacidade eólica instalada, como China (23,7%), Estados Unidos (32,1%), Alemanha (18,5%) e Espanha (26,9%)", destaca o boletim.
Brasil tem ampliação de 75,8% de capacidade instalada
A capacidade instalada das eólicas teve aumento de 75,8% neste ano, até agosto, mês que fechou com 3.834MW em potência da fonte. O Nordeste foi o principal responsável por essa expansão, registrando um crescimento da capacidade no período, da ordem de 104% - de 1.451MW em dezembro de 2013, para 2.962MW em agosto de 2014. Até o período, a região possuía 119 parques geradores, que representam 77,3% da capacidade instalada no Brasil.
O Nordeste atingiu, em agosto, o pico histórico de 1.618MW médios, passando a representar 85,3% do total de energia eólica gerado no País. O aumento da geração na região, em comparação com mesmo mês do ano passado, foi de 151%.

O boletim destaca que, no referido mês, três novas usinas entraram em operação comercial, todas elas no Ceará. O Estado, juntamente com Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Bahia e Santa Catarina totalizaram 94% de participação na geração média, em agosto.

A energia proveniente de fonte eólica é comercializada por meio de contratos resultantes do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas (PROINFA), de leilões do Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e de negociações no Ambiente de Contratação Livre (ACL).
Jornal de Fato

Depois de ‘matar pai e mãe’, comitês de campanha pedem compaixão para órfão

Depois de transformar a sucessão de 2014 numa espécie de luta de boxe travada na lama, os comitês de Dilma Rousseff e Aécio Neves firmaram no TSE algo muito parecido com um armistício.
As campanhas abdicaram das representações que tinham protocolado uma contra a outra —cerca de 30, só na noite desta quarta-feira seriam julgadas 16 ações. E comprometeram-se a levar ao ar no rádio e na tevê programas de governo, não ataques.
Considerandos-se que a propaganda eleitoral acaba nesta sexta-feira (24), as duas campanhas abriram mão de 48 horas de apertões no nariz, puxões na orelha e chutes no traseiro.
Presidente do TSE, o ministro Dias Toffoli tentou revestir o acordo com um verniz histórico: “Queria, em nome do Tribunal Superior Eleitoral, dizer do imenso gesto para a democracia brasileira que as duas campanhas demonstram neste momento, se comprometendo a fazer campanhas propositivas e programáticas e desistindo de todas as representações. É um momento histórico para esta Corte.”
Deve-se o acordo, em verdade, ao pragmarismo jurídico, não ao apreço pela democracia brasileira. Mantendo as representações, as campanhas de Dilma e Aécio corriam o risco de ter os derradeiros comerciais da campanha retalhados por decisões do TSE. No limite, os últimos programas seriam quase que integralmente censurados. Daí a desistência das ações.
Mal comparando, os comitês dos presidenciáveis comportaram-se na reta final mais ou menos como o criminoso da anedota, que matou pai e mãe e, no dia do julgamento, pediu misericórdia para um pobre órfão.
- Ilustração via Miran.
blog do Josias

desmatamento na Amazônia teve aumento de 290%

O desmatamento na Amazônia teve aumento de 290%, segundo dados de um monitoramento feito pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), da organização de pesquisa Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), de Belém (PA). De acordo com o estudo, só em setembro deste ano o desmatamento na Amazônia Legal chegou a 402 km², no mesmo periodo de 2013, os números eram de 103 km². 
Ainda segundo boletim do Imazon a perda florestal acumulada no período de agosto a setembro de 2014 chegou a 838 km². O periodo  corresponde aos dois primeiros meses do calendário oficial de medição do desmatamento, e o aumento foi de 191% em relação ao período de agosto a setembro de 2013, quando foram desmatados 288 km². 
Por região, os dados indicam que Rondônia e Pará foram os Estados mais atingidos pelo desmatamento em setembro. Depois de Rondônia que teve registro de um terço de toda a derrubada de árvores, Mato Grosso, Amazonas, Acre, Roraima e Tocantins, estão entre os mais desmataram, respectivamente. Além disso, 59% do desmatamento detectado em setembro de 2014 foi registrado em áreas privadas. O restante foi registrado em assentamentos de reforma agrária, 20%; Unidades de Conservação, 19%; e terras indígenas, 2%. 
O Imazon também divulgou números sobre a degradação florestal - áreas onde a floresta não foi inteiramente suprimida, mas foi intensamente explorada ou atingida por queimadas. Em setembro, as florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 624 km². Em relação a setembro de 2013 houve alta de 3.797%, quando a degradação florestal somou apenas 16 km². 
Da Agência CNM, com informações do Estado de S.Paulo

pressão inflacionária: conta de luz subiu 17,63% na média deste ano

A nova rodada de reajustes obrigatórios da conta de luz, autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), elevou a 17,63% o aumento médio da tarifa de energia de 68,7 milhões de unidades consumidoras em todo o País neste ano. Os chamados grandes consumidores, como indústrias, tiveram suas tarifas reajustadas em 18,20% na média. Nas residências, a conta de luz subiu 17,41% na média deste ano.
A alta média ordinária aprovada pela Aneel superou a projeção do Banco Central, que estima aumento de 16,8% nas tarifas de energia neste ano. O resultado final pode ser ainda maior, já que o cálculo considera os reajustes autorizados pela Aneel para 56 distribuidoras de energia elétrica em todo o País, desde o início do ano.
Até dezembro, outras oito distribuidoras ainda terão analisado o processo de reajuste tarifário pela Aneel. A principal delas é a Light, que atende cerca de 4 milhões de unidades consumidoras no Rio de Janeiro e na Baixada Fluminense.
Também terão suas tarifas reajustadas as distribuidoras Boa Vista Energia, Amazonas Energia, Companhia Energética de Roraima (CERR), Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre) e Companhia Sul Sergipana de Eletricidade (Sulgipe).
A Aneel aprovou reajustes para três distribuidoras. As tarifas da CPFL Piratininga terão aumento médio de 22,43%. Para grandes consumidores, o reajuste será de 24,35%. Nas residências, serão 20,98%. A companhia atende 1,6 milhão de unidades consumidoras em Santos, Sorocaba, Jundiaí e outros 24 municípios do litoral e do interior de São Paulo.
Com 1,7 milhão de unidades consumidoras, a Bandeirante Energia terá suas tarifas elevadas em 21,93%, em média. Para grandes consumidores, o reajuste será de 23,78% e para residenciais, 20,6%. A empresa atende 28 municípios de São Paulo nas regiões do Alto do Tietê e Vale do Paraíba.
Para os 70 mil clientes da DME Distribuição, de Poços de Caldas (MG), o aumento médio de 13,69%. Grandes consumidores terão alta de 15,44%, e residenciais, de 12,28%.
Banco Central. No último Relatório Trimestral de Inflação, divulgado em setembro, o BC projetava elevação de 16,8% nas tarifas de energia elétrica neste ano. Foi a quarta revisão do BC. No fim do ano passado, a autoridade monetária projetava alta de 7,5%. Em abril, a previsão passou a 9,5%. Em seguida, subiu a 11,5% em maio e a 14% em julho.
Questionado sobre a projeção, o BC informou que suas previsões estão ancoradas não apenas nos reajustes tarifários, mas também em fatores sazonais, como o clima. Além disso, a autoridade monetária considera a inflação de preços livres e a alta de preços medida pelo Índice Geral de Preços (IGP). Pelo IPCA, índice oficial, a inflação da energia residencial acumula 13,19% até setembro.
A equipe econômica tem usado os reajustes concedidos pela Aneel para combater o discurso de que o governo controla a inflação segurando os chamados preços administrados, como gasolina e energia elétrica.
O aumento do custo da energia foi a principal causa dos elevados reajustes concedidos para as distribuidoras neste ano. Com a seca, o governo decidiu poupar água dos reservatórios das usinas hidrelétricas e acionar as térmicas, que geram energia mais cara. Praticamente, todo o parque de termelétricas está em funcionamento desde outubro de 2012.
Até agora, o maior reajuste autorizado pela Aneel foi o da Elektro. O aumento médio foi de 37,78%. As tarifas dos grandes consumidores subiram 40,79%, e a dos residenciais foram elevadas em 35,97%. A companhia atende 2,4 milhões de unidades consumidoras em 223 cidades de São Paulo e cinco de Mato Grosso do Sul.
Msn.com

Janela de Johari: RELAÇÕES INTERPESSOAIS

A Janela de Johari – Conceito

A Janela de Johari é uma ferramenta conceitual, gráfica, que nos permite entender os aspectos da comunicação interpessoal e os relacionamentos com o grupo. É um conceito aplicável em várias situações, entre indivíduos, grupos e organizações. Foi desenvolvida em 1955 por Joseph Luft e Harrington Ingham, e seu nome deriva da união de partes dos nomes de ambos criadores: Jo(seph) + Hari(ngton).

A representação da janela de Johari

A Janela de Johari é compota a partir de dois eixos: um eixo (habitualmente o eixo horizontal) representa o nosso Auto-conhecimento, e é dividido em duas regiões, o que é conhecido para si (o indivíduo), e o que é desconhecido para si. O outro eixo, usualmente vertical, representa o conhecimento que os demais tem sobre nós, e também é dividido em duas regiões: o que é conhecido sobre o indivíduo, pelo grupo, e o que é desconhecido para o grupo. Estas divisões dos eixos formam quatro quadrantes, assim denominados:
Conceito da janela de Johari
Conceito da janela de Johari
O Quadrante Público consiste naquilo é de nosso conhecimento e dos demais; o Quadrante Cego consiste naquilo que os demais percebem em nossa personalidade, e não nos damos conta; o Quadrante Secreto consiste naquilo que sabemos que somos, porém é desconhecido dos demais; o Quadrante Desconhecido é formado pelo que tanto nós como os demais desconhecem sobre nossa pessoa. Estes quadrantes não são fixo, eles se movem sob a ação de duas forças: o Feedback e a Autoexposição.
Feedback é o que os demais membros do grupo, organização, time,  se dispõem, se sentem à vontade para lhe dizer sobre você. É a medida de quão sinceros e francos os demais podem ser relativamente a suas ideias, comportamentos e atitudes. OFeedback movimenta o eixo horizontal, ou seja, aumenta seu autoconhecimento.
Autoexposição é o que você se sente à vontade para compartilhar, transmitir sobre você e sua personalidade. A Autoexposição movimenta o eixo vertical, ou seja, aumenta (ou diminui) o conhecimento que os demais tem sobre você.

Evolução da Janela de Johari, entre indivíduos, ou indivíduos e grupos:

Dois indivíduos que não se conhecem, foram recém-apresentados, tal como um novo gerente e sua equipe, um professor e sua nova turma, ou dois indivíduos quaisquer, evidentemente tem pouco conhecimento entre si, portanto ao desenhar a Janela de Johari para um dos indivíduos, ela teria a seguinte representação:
Janela de Johari, sem feedback nem autoexposição
Janela de Johari, sem feedback nem autoexposição
Evidentemente, esta é uma situação normal, em um primeiro momento, onde o Eu Desconhecido é muito grande. Se na relação Líder-Equipe este quadro se mantiver, teremos caracterizado um potencial inexplorado, criatividade reprimida, relacionamento tenso, podendo gerar hostilidade e insatisfação. Este quadro é muito comum em organizações burocráticas, em que as relações interpessoais ficam muito tolhidas pela rigidez hierárquica.
Quando a equipe lhe dá feedback, o seu autoconhecimento aumenta, ainda que o conhecimento dos demais sobre você se mantenha inalterado:
Janela de Johari, com feedback, sem autoexposição
Janela de Johari, com feedback, sem autoexposição
Isto ocorre quando o líder tem uma tendência marcante de perguntar sobre si mesmo, mas não retribui com a exposição. Aumenta a área do Eu Secreto. O líder é visto pela equipe como distante, manipulador, e até inseguro, gerando tensões e sentimentos negativos na equipe.
Janela de Johari, com autoexposição, sem feedback
Janela de Johari, com autoexposição, sem feedback
Quando o líder se expõe, porém sem a contrapartida de solicitar feedback, a área do Eu Cego aumenta. Neste caso, o líder pode suscitar a ideia de exagerada auto-confiança, egocentrismo, extremo autoritarismo e insensibilidade.
Quando conseguimos solicitar e obter feedback, e em paralelo nos expomos de maneira franca e acessível, aumentamos em muito a Eu Público:
Janela de Johari, com feedback e autoexposição
Janela de Johari, com feedback e autoexposição
Neste quadro, as ideias fluem melhor, a comunicação é livre, e tudo favorece um crescimento da equipe e melhor obtenção de resultados.

Fonte: Blogtek - Mais AQUI

UERN: WORKSHOP PROGRAMA DOCE DESAFIO – UnB

Temos a satisfação de convidá-los a participar do WORKSHOP PROGRAMA DOCE DESAFIO – UnBno período de 28 a 30 de outubro de 2014, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade – PPGSS/UERN, com o apoio do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da UERN/UFERSA, o qual está relacionado ao Projeto de Pesquisa intitulado “Desenvolvimento de uma aplicação móvel inteligente para auxiliar o paciente com cuidados no pé diabético”.
 
PROGRAMAÇÃO GERAL
  • 28/10/2014 - 19h às 21h - Apresentação do Programa Doce Desafio da Universidade de Brasília. 
  • 29/10/2014 - 08h às 11h30 (Parte I)  - MINICURSO 01
  • 29/10/2014 - 14h às 17h30 (Parte I)  - MINICURSO 02
  • 30/10/2014 - 08h às 11h30 (Parte II)  - MINICURSO 01
  • 30/10/2014 - 14h às 17h30 (Parte II)  - MINICURSO 02
 
DETALHES DA PROGRAMAÇÃO
 
MINICURSO 01: "Diabetes mellitus: educação em saúde multidisciplinar e atividade física na prevenção e tratamento".
MINISTRANTE: Profa. Dra. Jane Dullius - Doutora em Ciências da Saúde, Mestre em Educação, Professora de Educação Física, Técnica em Alimentos, Docente Adjunto na Universidade de Brasília, Coordenadora do Programa Doce Desafio na UnB.

1) Diabetes mellitus e tratamento multidisciplinar
2) Benefícios e riscos da prática de atividades físicas e sua relação com a síndrome metabólica
3) Conteúdos e práticas da alimentação, autocuidados, medicamentos e relevância psicossocial que todos devemos conhecer
4) O que avaliar e como prescrever atividades físicas com diabetes
5) Aspectos práticos do acompanhamento e ajustes da glicemia
6) O que fazer na prática: a experiência do Programa Doce Desafio da Universidade de Brasília
 
MINICURSO 02: Pé diabético, aspectos osteomioarticulares, nervosos e tegumentares: prevenção e tratamento”
MINISTRANTE: Profa. Dra. Luisiane de Ávila Santana - Doutora em Ciências da Saúde, com ênfase em Patologia, Mestre em Bioengenharia e Fisioterapeuta.
 
1) Complicações osteomioarticulares do pé diabético
2) Complicações nervosas do pé diabético
3) Úlcera Diabética
4) Neuropatia Periférica
5) Prevenção dos riscos de desenvolver neuropatia
6) Tratamento específico para o pé diabético
Segue em anexo o cartaz do evento, para divulgação junto a discentes e docentes.
 
Inscrições online: http://propeg.uern.br/ppgss

Portalegre: juiz concedeu prazo de mais 30 dias para município se manifestar sobre o piso salarial dos professores... depois para o MP se posicionar e depois?

Honoráveis professores de Portalegre...

Leiam o despacho do juiz:

Autos n.º 0000350-74.2012.8.20.0150

Vistos etc.

Defiro o requerimento de fls. 228. Cumpra-se conforme pleiteado, concedendo o prazo de 30 (trinta) dias para a manifestação do Município.

Exaurido o prazo, com ou sem manifestação, abra-se nova vista dos autos ao Ministério Público, para requerer o que entender de Direito.

Portalegre, 15 de outubro de 2014.
Cornélio Alves de Azevedo Neto
Juiz de Direito
-----------------------------------------------------------

É a Justiça que cabe aos professores portalegrenses?

Lembrei-me de um trecho do poema "Morte e vida severina" de João Cabral de Melo Neto:

"—  Essa cova em que estás,
com palmos medida,
é a cota menor
que tiraste em vida.
— É de bom tamanho,
nem largo nem fundo,
é a parte que te cabe
deste latifúndio.
— Não é cova grande,
é cova medida,
é a terra que querias
ver dividida.
— É uma cova grande
para teu pouco defunto,
mas estarás mais ancho
que estavas no mundo.
— É uma cova grande
para teu defunto parco,
porém mais que no mundo
te sentirás largo.
— É uma cova grande
para tua carne pouca,
mas a terra dada
não se abre a boca."